Cuida do motor do seu automóvel?

IMG 0734

Quando se fala em tratar da melhor forma de um automóvel, a maioria dos condutores entende que a última parte sobre a qual se atreve a olhar e a mexer é, afinal, o coração do veículo: o motor. Ainda assim, qualquer automobilista deverá ter a noção de que a melhor manutenção de um motor começa na sua própria atitude perante o mesmo, e quanto melhor cuidado estiver o coração melhor é a prestação de todo o conjunto!

A complexidade do motor do automóvel, hoje em dia cada vez mais evidente e incontornável, e o facto de uma intervenção deficiente sobre o mesmo poder ser determinante no provocar de graves problemas para o automóvel, leva por norma a que os automobilistas entreguem a sua manutenção aos estabelecimentos próprios, as oficinas, onde técnicos especializados olham para o motor com a naturalidade que o automobilista comum não consegue ter. Todavia, é importante que o automobilista saiba que há acções que pode ter e, mais do que isso, algumas que deve mesmo ter pois só dessa forma conseguirá acabar por retirar o melhor rendimento do motor do seu automóvel.

Ao esquecer determinadas acções que, mais do que de manutenção, devem ser apontadas como de prevenção de problemas, corremos o risco de permitir no motor do automóvel o aparecimento de deficiências bem mais graves, que obrigam depois a intervenções complicadas por parte dos técnicos nas oficinas com custos acrescidos. Para evitar estes problemas e permitir retirar o máximo rendimento de qualquer automóvel, a melhor manutenção efectuada sobre o motor é determinante e começa num conjunto de acções que o próprio automobilista deve efectuar.

1 – Verifique os níveis do óleo

Assegurar o bem-estar do motor de um automóvel é algo que o automobilista deve conseguir para tirar o melhor partido do seu funcionamento, com prestações correctas em termos dinâmicos, na performance do veículo, mas também em capítulos tão importantes como são o consumo e as emissões. Para que esse bem-estar seja efectivo, o motor deve ter sempre níveis de óleo adequados, sendo por isso importante verificar regularmente esse nível, o que poderá fazer abrindo o capô do automóvel, puxando a vareta do óleo que está junto ao motor retirando-a por completo e verificando o nível do óleo que deverá estar entre os indicadores de mínimo e máximo existentes na vareta.

Esta acção deve ser feita com o automóvel em frio, e num local de estacionamento plano por forma a que o óleo dentro do motor se encontre distribuído dentro do bloco. Por outro lado, quando se retira a vareta do motor corremos o risco de ser mal “informados” por uma primeira leitura pelo que ser conveniente limpar a vareta, reintroduzi-la no seu local e então sim retirá-la para uma leitura correcta do nível real do óleo.

2 – Mude o óleo com regularidade

Será importante que o óleo do motor seja mudado com regularidade, isto porque prolongar a presença do óleo no carter do motor para além do período recomendado leva a que o fluido perca as suas características e as respectivas capacidades de defesa do motor que deverá possuir. A acção da mudança do óleo, porém, deverá ser preferencialmente entregue a uma oficina, não só porque terá a capacidade de determinar o tipo de óleo correcto para o veículo e a quantidade adequada, mas também porque terá as melhores condições para a extracção do óleo velho sem derrames para a via pública que, a existirem, mesmo por acidente, podem ser penalizados com coimas pelas autoridades.

3 – Coloque o volume de óleo adequado no motor

Igualmente importante no capítulo da acção de renovação do óleo do motor do automóvel será a colocação do volume adequado de óleo, isto porque sobrecarregar o carter com uma quantidade excessiva de óleo poderá provocar situações de sobreaquecimento do motor com consequências graves para o automóvel, nomeadamente, e em situações extremas, eventuais acidentes de viação.

IMG 0731

4 – Assegure uma mudança de óleo limpa

Antes de avançar para a mudança do óleo do motor do seu automóvel, caso decida fazê-lo sem recorrer a uma oficina, deverá ter o cuidado de procurar que essa acção seja o mais limpa possível, quer pela preocupação de recolher devidamente o óleo a extrair sem que o mesmo funcione como agente poluidor do ambiente, quer também pela limpeza do bloco do motor para que não caiam substâncias indesejadas para dentro deste. Será importante por isso que lempe devidamente a tampa do óleo, isto porque em alguns casos as tampas são magnetizadas e podem transportar consigo partículas de metal que, dentro do motor, irão causar danos complicados.

5 – Use óleos que cumpram as indicações do construtor

Cada automóvel, pelas características próprias que possui, precisa que o óleo do motor responda a requisitos específicos indicados pelo construtor no manual do veículo. Deverá por isso assegurar que o óleo colocado no motor do seu automóvel vá ao encontro do recomendado em termos de características, nomeadamente a viscosidade, índice de viscosidade e densidade. Uma forma simples de assegurar que não se esquece de mudar o óleo do seu automóvel é estabelecer um aviso no telemóvel que lhe indique a data referente ao final do período de vida útil do óleo em utilização e a consequente necessidade de mudança.

6 – Atenção aos filtros

O seu automóvel possui diversos filtros que têm como missão defender o motor de interferências do exterior, impedindo que várias substâncias tenham acesso ao mesmo. Entre os vários filtros que encontramos nos caminhos para o motor temos filtro do ar, do óleo, do combustível, entre outros, e todos eles carecendo de serem substituídos de acordo com as recomendações colocadas pelo construtor no manual do veículo.

7 – A importância do filtro do óleo

Se a atenção ao estado dos diversos filtros de um automóvel é algo importante, essa atenção deve ser ainda maior no caso do filtro do óleo, o qual deve ter a capacidade de remover todas as partículas e resíduos indesejáveis que podem estar contidos no óleo do motor. Se o filtro estiver sujo, perde toda a sua eficácia, passando a permitir o eventual entupimento do motor e o ocorrer de baixas pressões no óleo. Deverá por isso mudar o filtro do óleo segundo as recomendações do fabricante ou sempre que mudar o óleo do motor do seu veículo.

8 – A importância da transmissão

Um dos componentes mais importantes de um automóvel é a sua transmissão, as engrenagens que transportam o movimento proveniente do motor para as rodas de tracção responsáveis por movimentar o veículo. Estas engrenagens, que se resumem em conjuntos de rodas dentadas que transmitem movimento entre si, são protegidos por fluidos próprios cuja substituição é estabelecida pelo construtor do automóvel. Além disso, também aqui surge a necessidade de ter em atenção o estado dos filtros próprios para este componente, cuja troca é igualmente estabelecida no manual do automóvel.

IMG 0732

9 – Verifique as velas da ignição

A banalização da ignição electrónica, dos computadores de bordo e toda uma panóplia de equipamento eléctrico e electrónico a bordo de um automóvel veio sobrecarregar a respectiva componente eléctrica, situação que leva à necessidade na maior parte dos casos de ser feita uma mudança regular das velas do automóvel, algo que, em média, deve ser feito a cada 50 mil quilómetros. Este período, naturalmente, varia de acordo com os construtores e os diferentes automóveis por via das respectivas característas, sendo importante recolher (e seguir) a opinião técnica avalizada da sua oficina.

10 – Correia de distribuição

Outro componente sobre o qual é importante haver uma atenção particular ao seu estado é a correia de distribuição, essencial para o bom funcionamento de todas as peças relativas ao motor do automóvel já que permite a sincronização das mesmas. Torna-se por isso fundamental substituí-la segundo a recomendação do fabricante, havendo que ter em conta que a sua substituição varia de acordo com as marcas dos automóveis e até em veículos da mesma marca. Depois de mudada a correia de distribuição é importante vigiar o seu estado, isto porque uma colocação deficiente dará origem a índices de desgaste anormais. A correia de distribuição é escolhida de acordo com o modelo do automóvel e o tamanho do motor, sendo muito importante que a sua substituição seja sempre feita por um profissional. Com a colocação de uma nova correia de distribuição é aconselhável que seja substituída ao mesmo tempo a bomba de água, um componente com uma vida útil superior que, ainda assim, deverá ser substituída em simultâneo com o tensor da correia.

Para além da atenção que deverá dar aos diversos componentes físicos do motor do seu automóvel, bem como ao nível do óleo, visando assegurar um tempo de vida útil mais alongado, o motor deverá ser limpo com regularidade, sendo importante que mande lavar o motor do seu veículo de ano a ano ou, pelo menos, a cada dois anos. Um motor limpo terá sempre um melhor desempenho e irá permitir que o automobilista se aperceba em tempo útil de pequenos problemas como uma fuga ou vazamento de óleo.

Ter atenção a alterações de ruído do motor, funcionamento com “arritmias” ou o verificar de alterações súbitas relativas às suas prestações devem merecer uma atenção atempada sem permitir que estes sintomas se estendam no tempo. Afinal, se no caso do corpo humano devemos estar atentos a sinais de alarme pela nossa saúde, também em relação ao automóvel há sinais de alarme a ter em atenção e a merecerem uma resposta tão imediata quanto possível.

Facebook

Twitter

Friday the 20th. | Home | Joomla 3 Templates Joomlaskins